O nosso site funciona plenamente sem JavaScript mas fica muito mais bonito se o ativar.

És Mesmo Tu?

Isabel Minhós Martins · Bernardo P. Carvalho

Uma bota que desapareceu misteriosamente deixa dois amigos à conversa. Uma conversa labiríntica que nos deixa quase tontos! Mas as conversas entre amigos são mesmo assim... Cheias de curvas, contracurvas e referências estranhas (que mais ninguém entende!), as conversas entre amigos guardam segredos e muita cumplicidade.

“És mesmo tu?” mostra-nos um diálogo labiríntico entre dois amigos, numa conversa em torno de uma bota desaparecida: 
Como terá desaparecido a bota, afinal? Terá sido roubada? 
Levada por extraterrestres? Atirada para o telhado?
É à volta deste mistério que o diálogo vai avançando, tendo sempre como referências episódios e amigos comuns, como a “Inês pequenina, do risco ao meio”, a “Vanda que tem a mania que manda” ou o “André magrinho que partiu o pé”. 

De vez em quando, a conversa detém-se, não há maneira de avançar, instala-se a dúvida – “Do Zé... qual Zé?” – para logo ser esclarecida, por novas pistas e referências: “O Zé grandalhão. O que comeu lagartixa a pensar que era salsicha. O Zé que foi procurar a bota ao telhado com o Tó.”
Todos nós já tivemos conversas assim, diálogos bizarros, do outro mundo...
Todos nós temos, só nosso, um álbum de pessoas e memórias como este.

– Recomendado por Gulbenkian/Casa da Leitura
– Aconselhado por Plano Nacional de Leitura
– Menção Especial Júri – Prémio Nacional de Ilustração (2008)

 

Livros com texto em rima pensados para os mais novos redundam muitas vezes em péssimos versos, rimas forçadas e histórias que perdem o seu sentido em prol da sonoridade. Exatamente o oposto de És Mesmo Tu?, livro ilustrado que reflete o esmero editorial da Planeta Tangerina e onde a harmonia bem sucedida entre enredo, ritmo e rima marcam cada página.  
Sara Figueiredo Costa, suplemento Actual,  jornal Expresso, 17 janeiro de 2009

(…) um livro divertidíssimo, espécie de rendição ao poder hipnótico da tagarelice, esse hábito milenar que também alimenta as nossas ligações pela palavra. (…) Mantendo um jogo irresistível entre o ritmo, o sentido e a fonética das palavras, torna-se puro gozo descalçar esta bota até ao fim.
Carla Maia de Almeida, revista LER, fevereiro de 2009


32 páginas · 195 x 220 mm · ISBN: 9789898145062