Ficha Técnica

32 páginas / 220 x 280 mm
ISBN: 9789898145260 / PVP: 12,90€
1.ª Edição: outubro 2010

© Rights sold: Brazilian Portuguese, Italian, Spanish (Chile)

Uma cidade repleta de setas, indicações e sentidos obrigatórios.
Um rapaz que vive os seus dias entre setas, nunca ousando (ou sequer pensado) desviar-se do seu rumo.
E uma ideia revolucionária que lhe invade os pensamentos e o faz, certo dia, aventurar-se…

Por isso, atenção, muita atenção: este livro é só para corajosos!
Para todos aqueles que gostam de viajar até lugares inexplorados e não têm grande medo de se perder.

Este é um livro que nos convida a sair das rotinas, dos horários, dos dias sempre iguais. É um livro que incita a “ir para a escola ou para o trabalho por um caminho diferente do habitual”, para assim despertar todos os sentidos e ir ao encontro do inesperado. É também um livro que pode fazer-nos perguntar: mas será que todas as regras têm razão de ser?

“Siga a Seta!” é para corajosos naquele sentido que nos pode fazer questionar a maneira como vivemos e enchemos os nossos dias, por vezes com pouco espaço para o devaneio, para o pensar sem automatismos…

O menino deste livro não aguentou viver todos os dias com uma direção sempre indicada (casa-escola-casa) e foi mordido pela curiosidade. O que acontecerá a cada leitor se olhar melhor para as setas obrigatórias que há nos seus dias?

PVP: 12,90€*

11,61
* O preço final inclui 10% de desconto do editor

Prémios e Menções

Recomendado — Amnistia Internacional

Aconselhado — Plano Nacional de Leitura

Recomendado — Gulbenkian/Casa da Leitura

Finalista — 4th CJ Picture Book Festival (Coreia)

O que se diz

Parábola sobre o condicionamento e as limitações que a sociedade impõe ao Homem, esta narrativa propõe, como mote, a irreverência do olhar infantil, defendendo a liberdade de construir um caminho próprio e de descobrir o mundo que nos rodeia.(…) As ilustrações, de forte impacto visual, recriam com expressividade a controladora cidade das setas, completando perfeitamente o texto.

Ana Margarida Ramos, Casa da Leitura

Isabel Minhós Martins convida de novo o leitor a ir mais além. Parece gostar de estimular a desobediência ao que está absurdamente instituída. Pela primeira vez, fez-se acompanhar do ilustrador chileno Andrés Sandoval. Bela escolha.

Rita Pimenta, jornal Público, dezembro de 2010